Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Raquel Dodge denuncia Temer no inquérito sobre desvios no setor de portos

Spread the love

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge,denunciou nesta quarta-feira (19) o presidente Michel Temer (MDB), coronel João Baptista Lima Filho, Antônio Celso Grecco, Ricardo Mesquita e Carlos Alberto da Costa pelos crimes de corrupção passiva, corrupção ativa, lavagem de dinheiro e organização criminosa, em esquema criminoso envolvendo o setor de portos

Raquel Dodge requer que, a partir de Janeiro, quando Temer passar o cargo para Jair Messias Bolsonaro (PSL) e deixar o Planalto, a denuncia passe a tramitar perante a 10ª Vara Federal no Distrito Federal, pois Michel Temer não poderá usufruir da prerrogativa de foro perante o Supremo.

Michel Temer, que já é alvo de mais duas denúncias feitas no ano passado pelo então procurador-geral Rodrigo Janot, sob acusação de corrupção e de integrar organização criminosa, virará réu.

A investigação foi aberta no ano passado para investigar um decreto editado por Temer que beneficiava empresas como a Rodrimar, que opera no porto de Santos.  

Segundo informações da Folha de S.Paulo, os investigadores apontaram a Rodrimar como uma das empresas que pagaram propina a Temer por meio das empresas Argeplan, Eliland do Brasil, PDA Administração e Participação LTDA e PDA Projeto e Direção Arquitetônica, ligadas ao coronel João Baptista Lima Filho, aposentado da Policia Militar de São Paulo e amigo do presidente.

Em nota, o Planalto informa que “o presidente Michel Temer provará, nos autos judiciais, que não houve nenhuma irregularidade no decreto dos Portos, nem benefício ilícito a nenhuma empresa”, destacou a Folha de S.Paulo.

As investigações contra Temer

Portos: Apura se houve ilegalidade em decreto que beneficiou empresas do setor, assinado em Maio de 2017. Já em 2019, a PGR pediu para denúncia passar a tramitar na Justiça Federal do DF.

Jantar no Jaburu –Inquérito suspenso no STF: Apura se Temer e aliados acertaram com executivos da Odebrecht R$ 10 milhões em doações ilícitas para MDB em 2014. Em 2019 a PGR pediu a suspensão do inquérito sob justificativa de que Temer não podia responder a ação penal por fatos anteriores ao mandato; não há decisão sobre destino do processo.

Quadrilhão do MDB –Denúncia suspensa no STF: Temer é apontado como líder de organização criminosa que teria recebido R$ 587 milhões de propina em troca de favorecimento a empresas em contratos com Petrobras, Furnas e Caixa. Hoje a denúncia está na Justiça Federal do Distrito Federal.

Mala da JBS –Denúncia suspensa no STF: Temer é acusado de ser o destinatário Final da propina de R$ 500 mil e de promessa de R$ 38 milhões em vantagem indevida pela JBS. Em 2019, a denúncia esta a cargo da Justiça Federal do Distrito Federal.

*Com informações da Folha de S.Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!
Pular para a barra de ferramentas