M.A.M, apologia a pedofília e a nota emitida pelo Museu

Em performece no MAM, o 35º Panorama de Arte Brasileira, conta com a presença  do “artista” fluminense Wagner Schwartz se apresentou nu, no centro de um tablado.  Nas imagens aparece uma menina que aparenta ter cerca de quatro anos, acompanhada da mãe, tocando no corpo com o homem, que estava deitado de barriga para cima, com a genitália à mostra.



 

A perfomace conta com o apoio do Banco Itaú, Bradesco, Vivo entre outras.

Elisabeth Finger militante do PT ex funcionária do Banco Itaú foi a mãe que colocou a filha para tocar em um homem nu.





Nas imagens fica claro que a criança esta desconfortável com a situação. Constrangida, sorri e toca de leve nas mãos e pés do “artista”, incentivada pela mãe.

Ao que parece, a menina apenas toca no “artista” para não contrariar a sua genitora.

Na performance, intitulada La Bête, Schwartz emula um dos Bichos de Lygia Clark, as esculturas de alumínio com várias dobradiças que podem ser manipuladas pelo público. Ressalto ainda que, a arte que originou tal performace doentia, não contava com nús e sim com animais articulados de alumínio.

Qual a intenção de perverter e expor as crianças a esse tipo de estimulo?

Caso haja interesse do leitor em entrar em contato com o curador (o responsável pela exposição), seu e-mail é: lcamilosorio@gmail.com

RESPOSTA DO MAM

Eis a “Nota de esclarecimento” do M.A.M, referente a exposição onde aparece uma criança interagindo com um homem nu. Na sequencia veja um video em resposta a essa nota.

Vídeo em resposta:




Deixe uma resposta